Maior reservatório de água do Brasil sofre com a seca em ritmo acelerado

O reservatório Serra da Mesa, localizado em Goiás, é o maior da América Latina, capaz de armazenar um excepcional volume de água em seus 1.784 km² de extensão. No período de seu melhor funcionamento, chegou a comportar aproximadamente 54,4 bilhões de metros cúbicos de água, porém, em setembro de 2017, atingiu o nível mais baixo já registrado desde a sua criação, em 1998.

A preocupação se tornou constante a partir do final de 2012, quando o Brasil atravessou uma grave crise hídrica. Desde então, a escassez das chuvas tem trazido problemas para o reservatório, que está funcionando com apenas 9% do volume de água que é capaz de armazenar. O nível da água está 35 metros abaixo da cota máxima comportada pela represa e, a cada dia, cai entre quatro e cinco centímetros.

Além de comprometer o funcionamento de 7 hidrelétricas dependentes da água do reservatório, essa situação também afeta a economia da região. Pescadores locais passaram a criar tilápias como uma alternativa à pesca, uma vez que há menos peixes nos lagos devido à falta de oxigênio e ao aumento da temperatura na água. Um negócio que poderia salvar os pescadores, porém, se tornou um grande prejuízo em 2016. Toneladas de peixes morreram e a Cooperativa dos Piscicultores do Lago Serra da Mesa (Cooperpesca), composta por 33 pescadores, adquiriu uma dívida de de mais de R$ 300 mil.

O turismo também foi bastante afetado pela seca, que afastou os visitantes da região. O espaço de lazer conhecido como “Praia Generosa”, criada ao lado do Memorial Serra da Mesa, teve a maior parte dos seus bares fechada e quiosques e bares flutuantes estão atualmente distantes da água.

Com o alagamento da região para a construção da represa, uma ponte que ligava os municípios Uruaçu e Niquelândia desapareceu em meio às águas. Porém com a baixa do nível do reservatório, ela voltou a aparecer. Pescadores que antigamente pescavam acima da ponte, hoje conseguem atravessá-la a pé, com a água batendo nas canelas.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *