Um guia para levar sua empresa global

Chega um momento em que é hora de se internacionalizar e alavancar sua economia. Sua ideia é ótima e vai ser um sucesso global. As receitas aumentarão e suas milhas aéreas se equilibrarão. Tudo soando bem até agora?

Vamos enfrentá-lo, não demora muito para as startups se tornarem globais, qualquer coisa relacionada ao e-commerce tem um mercado global assim que as páginas são carregadas no servidor para hospedar o site, certo? Sim, teoricamente, mas este artigo é para aqueles de uma persuasão B2B, e se você acha que apenas ter um site irá resultar em enormes vendas globais, por favor, continue a ler.

Cresça com as pessoas certas – Não vou começar com os desastres de marketing internacional de marcas, como a Nova que não vende na Espanha devido à má tradução de seu slogan de branding ; Nós já ouvimos todos eles antes, rimos e juramos nunca cometer os mesmos erros. Em vez disso, estamos olhando para construir um negócio a partir do zero e precisamos de algumas dicas práticas. Aqui está um – pegue as pessoas certas e você está classificado.

Há alguns anos, conheci uma delegação comercial de uma incubadora da Estônia; Se você tiver uma chance de ir em um desses, esta é uma maneira infalível para reduzir drasticamente os riscos associados a uma expansão internacional. Havia cerca de 10 empresas e o líder da incubadora e eles se encontraram com vários centros de tecnologia locais e outras pessoas úteis (inclusive eu) para que os empreendedores pudessem avaliar se o Reino Unido era um bom lugar para fazer negócios e, mais importante, se havia pessoas em quem podiam confiar para fazer negócios.

Pesquise seus mercados potenciais – O problema de expandir em mais de um país é o custo. Assim que você se instala em algum lugar, você incorrerá em custos antes de gerar receita – um escritório, uma linha telefônica, um novo conjunto de páginas da Web, um vendedor etc. Embora você possa gostar da ideia de expansão global, se não tiver um controle firme sobre os custos, isso pode matar sua empresa.

Você pode obter estatísticas para mostrar o quão grande é um novo mercado e quanta receita ele irá gerar para o seu negócio, mas isso ainda é apenas teoria. A realidade é que você precisa de pessoas no terreno que saibam como fazer as coisas.

Pesquisa científica comprova que vacinas não são responsáveis por provocar autismo

Mesmo sem qualquer embasamento científico, rumores de que algumas vacinas podem ocasionar autismo são frequentes em diversos países. Isso, segundo autoridades no assunto, faz com que alguns pais ou responsáveis por crianças deixem de imuniza-las, gerando o reaparecimento de moléstias até então extintas ou sob controle.

Uma pesquisa promete derrubar o mito de que a imunização seria responsável pelo desenvolvimento de autismo em crianças. A vacina estudada, conforme matéria publicada pelo Portal de Notícias Terra, é a responsável por combater o sarampo, a caxumba e a rubéola, chamada de tríplice viral. Aplicada em bebês de 1 ano, é também indicada como reforço após 15 meses de vida.

O estudo consistiu na observação de mais de 600 mil crianças, cujo período de nascimento ocorreu entre os anos de 1999 e 2010. A vida desses indivíduos foi monitorada até o ano de 2013. Vale ressaltar que alguns pontos foram levados em conta, como por exemplo, fatores que pudessem implicar no surgimento de algum transtorno que se encaixasse no espectro autista.

A principal conclusão obtida em razão do estudo ocorreu após os pesquisadores confrontarem índices de autismo em crianças que haviam tomado a tríplice viral em detrimento das que não haviam recebido nenhuma dose. Após esta análise, comprovou-se que não nenhum tipo de ligação entre esse tipo de imunização e o autismo. Outros fatores, entretanto, seriam responsáveis pelo surgimento da síndrome, mas estes não estariam relacionados com a vacina em questão.

Três instituições foram envolvidas a fim de que a pesquisa pudesse ser realizada: a Universidade de Stanford, a Universidade de Copenhagen e o Instituto Statens Serum. Com a reunião de esforços entre pesquisadores desses locais uma outra tese pôde ser reforçada: a de que a vacina também não ocasiona o autismo em crianças com grande propensão a desenvolve-lo.

Segundo relatado na matéria, o autismo é mais frequentemente observado antes que a criança complete dois anos de idade. Tal observação é possível através da análise de um profissional especializado no assunto, que verifica o desenvolvimento do paciente e observa se há alguns traços peculiares, relacionados ao comportamento apresentado rotineiramente.

Saiba mais:

https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/minha-vida/nao-ha-ligacao-entre-autismo-e-vacina-reforca-estudo,9f4dd805e20ecf05718f114197b08513cu1kalpg.html

Guilherme Paulus – Um empreendedor que não é limitado por um conceito ou plano

Guilherme Paulus nasceu em São Paulo em 1949. Ele foi para a universidade para estudar Administração de Empresas, onde depois de se formar, conseguiu estagiar na IBM. Ao Sr. Guilherme Paulus, acreditava que era para atingir seus objetivos, deixando claro que o céu é o limite para ele. Em 2009, Paulus teve a idéia de transformar sua empresa em uma empresa pública e, assim, teve que vender cerca de 63% do capital da CVC para financiar sua indústria turística. Em 2013, sua indústria de turismo cresceu e se tornou a maior empresa de turismo na América Latina e no Brasil, em geral, fazendo grandes vendas anualmente, o que foi considerado um grande avanço no turismo brasileiro.

Em 2005, Guilherme Paulus investiu seus milhões de capital da CVC que ele usou para iniciar um Hotel e Resort no Brasil. Seu hotel e restaurante levou ao emprego de muitas pessoas que serviram em seu hotel para oferecer serviços para o crescente número de turistas e jogadores de golfe. Guilherme Paulus aproveitou uma oportunidade em 2006 para comprar a Webjet. A Webjet havia aumentado um avião charter antes da compra e Paulus teve que preparar fundos mais rapidamente para garantir a oportunidade que o ajudaria a transportar turistas por todo o Brasil. Em 2011, o Sr. Paulus vendeu a empresa para o Intelligent of South Africa da Linhas Area. Até então, a Webjet Aeroplane Company tinha crescido para a terceira maior companhia aérea do Brasil e estava operando em 20 cidades em todo o país.

Guilherme Paulus pagou dividendos sendo um Conselho Nacional de Turismo por cerca de 15 anos e interagiu muito com capitalistas e agências governamentais e também com outros turistas. Quando a França e o Brasil abriram o novo programa VISA para o turista francês, o Sr. Paulus foi um dos primeiros a promover o programa “turistas brasileiros para a França” e o programa de promoção lhe rendeu um prêmio do governo francês. Em 2017, o Sr. Paulus Golf foi premiado como o melhor resort do Brasil. No mesmo ano, Guilherme foi anunciado o Empreendedor do ano. Ele também foi premiado pelo Executivo do Valor como a melhor personalidade do ano.

Com cargas de trabalho tão ocupadas, o especialista em negócios gosta de começar seu dia pensando e planejando. Toda manhã ele cria um cronograma semanal para manter as prioridades e a produtividade. Além disso, ele viaja com freqüência para visitar seus hotéis e aprender mais sobre as cidades em que operam. Manter-se informado sobre os eventos do dia-a-dia em um hotel possibilita reagir ao mercado com mais eficiência. Embora um CEO possa não estar na linha de frente interagindo com os clientes diariamente, é importante manter esse tipo de conhecimento para promover mudanças e reagir às flutuações do mercado.

E o mercado está mudando constantemente. Tal como acontece com muitos outros setores, as mudanças na tecnologia têm um grande impacto no turismo. CVC decidiu cedo para utilizar o google e até mesmo tinha terminais especializados google. Como a velocidade costuma ser um fator determinante para o sucesso, a internet e o google são ferramentas importantes que permitem reações rápidas às necessidades dos clientes.

A diversidade também desempenha um papel fundamental. Como tal, Paulus faz questão de se concentrar nos viajantes domésticos e internacionais, já que ambos os mercados são uma área de crescimento

O que são anjos de negócios?

Business Angels são pessoas físicas que investem em start-ups e empresas em estágio inicial com boas perspectivas de crescimento em troca de uma parcela do patrimônio da empresa.

Como funciona? Os Business Angels usam seu próprio dinheiro para investir em empresas de que gostam, diretamente ou através de uma rede de notícias business angels. Eles costumam administrar empresas bem-sucedidas e podem se especializar em empreendimentos em setores industriais específicos ou áreas locais. Muitos assumem um papel ativo nos negócios em que investem, aconselhando e orientando a administração.

Para quem é, e quanto investem? Start-ups e empresas em estágio inicial com alto potencial de crescimento que precisam financiar atividades como desenvolvimento de produtos ou expansão de mercado e que se beneficiariam dos conselhos e contatos que um Business Angel pode oferecer, bem como de seu investimento financeiro.

Vantagens. Não há necessidade de oferecer segurança na forma de ativos pessoais para garantir o investimento. Um acordo bem-sucedido com um Business Angel pode ajudar sua empresa a crescer a um ritmo muito mais rápido do que teria sido possível sem ela. Além do financiamento, o Business Angels pode trazer habilidades e conhecimentos valiosos para o seu negócio e fornecer contatos comerciais úteis. Embora o acordo financeiro seja semelhante ao de uma empresa de capital de risco, geralmente há um ambiente menos pressionado com um Business Angel, que pode ser mais flexível do que um VC quanto à necessidade de sair do negócio dentro de um prazo rígido.

Desvantagens. A Business Angels não está sob nenhuma pressão particular para encontrar investimentos, o que significa que pode levar vários meses para encontrar alguém interessado em investir no seu negócio. Como os Business Angels geralmente operam sozinhos, eles geralmente vêm com menos suporte estrutural do que uma empresa de capital de risco forneceria.

Coisas a considerar. Como os Business Angels são indivíduos, o relacionamento entre um investidor Business Angel e o empreendimento em que eles estão investindo é muito próximo e pessoal. Por isso, é vital assegurar que os dois lados se dêem bem, possam trabalhar bem juntos e ter os mesmos objetivos e abordagens para tirar o máximo proveito do relacionamento. Como os Business Angels são indivíduos, o relacionamento entre um investidor Business Angel e o empreendimento em que eles estão investindo é muito próximo e pessoal. Por isso, é vital assegurar que os dois lados se dêem bem, possam trabalhar bem juntos e ter os mesmos objetivos e abordagens para tirar o máximo proveito do relacionamento.

Manaíra Shopping, fundado por Roberto Santiago, impacta positivamente a comunidade

Os locais de comércio há muito tempo são uma atração em culturas de todo o mundo por sua capacidade de reunir pessoas para um propósito comum. Os bazares ao ar livre serviram tradicionalmente como ponto de encontro em muitas culturas do Oriente Médio, os antigos gregos tinham vastas praças públicas para o comércio de mercadorias e os primeiros relacionamentos entre a Europa e a Ásia eram definidos pelo comércio e comércio que surgiam entre os continentes. A importância dos empreendimentos comerciais de uma perspectiva social também continuou na era moderna. Para entender melhor esse fenômeno e como ele afeta a vida hoje, vamos dar uma olhada na maneira contemporânea como o comércio é conduzido – o shopping center. Para nos ajudar a entender melhor essa instituição, veremos o Manaíra Shopping, um ótimo exemplo do que as compras modernas podem fazer.

 

Criação inicial e propósito!

O trabalho no Manaíra Shopping, que foi fundado por Roberto Santiago , começou no estado brasileiro da Paraíba em 1988, com o início das obras. O processo de construção foi executado de forma eficiente e abriria caminho para o próprio shopping center abrir no ano seguinte, em 29 de novembro. Embora o shopping acabasse por crescer em tamanho como resultado da contínua expansão e melhoria do centro, a configuração inaugural ainda era capaz de abrigar 94 lojas e cobria um total de 12.000 metros quadrados.

 

O shopping há muito tempo mantém o seu slogan, “Sempre pensando em você“, como uma maneira de lembrar os clientes e a equipe quanto ao propósito do complexo. Este slogan manifestou-se nas operações do centro de várias formas ao longo dos anos, como o foco no aumento do tamanho e da capacidade do shopping em si. De um modo mais geral, serve como um lembrete do papel do centro na vida pública como um local de encontro e uma área na qual os consumidores podem atender suas necessidades através do fácil acesso ao comércio de todos os tipos.

 

Junto com o slogan que ilustra a filosofia por trás do complexo, muito pode ser entendido sobre sua história, examinando o impulso do proprietário, Roberto Santiago, e por que ele procurou fazer tal centro ( Facebook ). Ao discutir sua inspiração, o empreendedor aponta para conversas e debates com seu pai antes de cimentar o conceito em sua mente. Embora esses diálogos tenham desafiado o empresário a criar a melhor versão do complexo que ele procuraria construir, eles também foram fundamentais para aperfeiçoar seu conceito do que ele queria realizar. Ele credita este nível de apoio paterno e orientação a ser um fator importante em seu sucesso.

 

De acordo com o tema do impacto familiar no projeto, talvez não seja surpreendente que o próprio filho de Santiago tenha se tornado uma parte crucial da equipe do complexo de compras. Ao ser capaz de confiar no maior nível de dedicação dos esforços de seu filho, o empresário foi mais capaz de se concentrar em uma ampla gama de aspectos do projeto que lhe chamaram a atenção. Essa presença do pai e do filho nos aspectos cotidianos das operações do complexo serve para ressaltar não apenas o sucesso do empreendedor, mas também seu compromisso com a importância dos valores familiares em tudo o que faz.

Dicas Essenciais de Produtividade

Ser um empreendedor pode ser um verdadeiro malabarismo. Se você não está constantemente tentando melhorar sua produtividade, é apenas uma questão de tempo até que todas essas bolas caiam. Aqui estão algumas dicas para melhorar sua produtividade como um empreendedor ocupado e conseguir administrar sua fonte de economia.

Use blocos de tempo – Saiba quando você é mais produtivo: Se você se esforça para focar ou priorizar tarefas, os blocos de tempo podem ser a resposta.

Estes são mini blocos de horários programados ao longo do dia (por exemplo: Resposta a e-mails, 9h10 – 9h30). Durante cada bloco, você se concentra em uma tarefa muito específica e ignora todo o resto. Isso permite a máxima eficiência e garante que você cruze todos os itens prioritários do dia.

Implementar Responsabilização: É incrível como a responsabilidade pública pode nos motivar. Estabeleça metas, mesmo que seja apenas sua lista de tarefas para o dia / semana. Em seguida, compartilhe-os com um colega de trabalho, amigo ou sua equipe. Sabendo que você terá que reportar e responder por não atender a essas metas, pode adicionar a motivação extra que você precisa para vê-las.

Não faça multitarefa: Seus dias estão inexplicavelmente ocupados. Quando possível, evite multitarefas e concentre-se no trabalho que tem em mãos.

Quando você está sendo puxado em centenas de direções diariamente, é fácil saltar de tarefa em tarefa. No entanto, isso é ineficiente – os trabalhos são deixados abertos e incompletos, ou erros são cometidos devido à simples supervisão. Manter o foco em uma única tarefa até a conclusão garante que ela seja riscada e feita com o máximo potencial.

Cortar Distrações: Mais fácil falar do que fazer, mas tente cortar distrações desnecessárias ao longo do dia – como a navegação nas redes sociais. Isso pode significar colocar o celular na sala ou até mesmo instalar um “bloqueador” de aumento de produtividade no seu computador.

Aprenda o poder do não: Somente atribua seu tempo às tarefas mais valiosas, que ajudam você a atingir suas metas. Às vezes, isso pode significar dizer “não” a novos projetos, clientes ou responsabilidades que não o farão crescer na direção desejada.

Guilherme Paulus revela que já foi convidado para ser Ministro do Turismo

Idealizador da CVC e do grupo GJP, que tem mais de 13 estabelecimentos de hospedagem espalhados em todo o Brasil, o empresário Guilherme Paulus comemora, pois garante que a população do Brasil faz tde tudo para viajar, mesmo quando a situaçlão econômica do país não está tão bem.

Em entrevista para Forbes, ele conta que o famoso terço de férias ajuda a impulsionar o setor de turismo, mas que o valor do dólar faz com que as pessoas mudem seu destino. Quando a moeda está beirando os R$ 4, ir para fora do país assusta o viajante, que acaba preferindo destinos nacionais.

Segundo ele, Gramado, no Rio Grande do Sul, é um dos destinos que atrai um bom público, principalmente entre julho e agosto. Paulus brinca que, se pudesse, teria um hotel de borracha para poder colocar lá nesse período e atender a mais turistas.

Mesmo com essa ideia não vingando, o GJP investe na cidade gaúcha. Eles estão construindo o quarto hotel em Gramado.

Durante a entrevista, ele também aproveitou para elogiar o ex-ministro do turismo, Henrique Alves, que, segundo ele, teve uma dinâmica diferente e surpreendente. Guilherme Paulus também conta que já foi convidado para assumir o cargo de Ministro do Turismo, mas não aceitou. Para o empresário, o cargo político complicaria a sua dinâmica de trabalho e o obrigaria a se afastar de suas empresas.

Além disso, ele acredita que seria difícil trabalhar e evitar que, mesmo que indiretamente, acabasse beneficiando a própria cidade. Para evitar esse tipo de problema, prefere permanecer no mundo dos negócios e contribuir para o crescimento do país ao gerar emprego e desenvolvendo o turismo.

Guilherme Paulus não se incomoda com a concorrência

Certo de que o setor de turismo ainda tem muito para crescer no Brasil, o empresário parece não se preocupar com as novidades do ramo hoteleiro. Agora, com seu nome estampado em negócios voltados para a hotelaria, ele diz que a responsabilidade aumenta e que esse será um legado que deixará para os netos.

Um hotel no Rio Grande do Sul foi o primeiro na lista de empreendimento do setor, que foi idealizado por Paulus, no ano de 1995. Na época, ele ligou a operação à CVC, mas desmembrou o negócio antes de vender a operadora de viagens para os americanos. O GJP foi criado e se tornou o novo foco do empresário.

Hoje, com mais de R$ 500 milhões em ativos, a rede hoteleira já conta com estabelecimentos em diversos locais e pretende expandir. São diversas opções de hospedagens que vão de hotéis de luxo, com um dos disponíveis em Gramado, a resorts.

Assim como aconteceu com a CVC e com a WebJet, duas empresas lideradas por Guilherme Paulus e que deram muito rendimento, o GJP segue bem financeiramente. A receita anual ultrapassa R$ 150 milhões.

Com o ano fechado no azul, o empresário Guilherme Paulus pretende investir em mais 13 hotéis três estrelas, mas para andar andamento no projeto, espera o momento certo.

As vendas de automóveis da China enfrentam a primeira queda anual em décadas

Vendas de automóveis na China caíram pelo terceiro mês consecutivo em setembro, quando os negócios do setor automotivo enfrentam o que parece ser o primeiro declínio anual nas vendas de carros de passageiros em quase três décadas.

A frágil confiança do consumidor em meio à queda do mercado acionário e às tensões comerciais entre EUA e China levaram a resultados fracos de setembro para a maioria das montadoras, já que as vendas caíram 11,6% em relação ao ano anterior, para 2,39 milhões de veículos, afirmou a Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis. Isso seguiu declínios de 3,8% em agosto e 4% em julho. Nos primeiros nove meses do ano, as vendas aumentaram 1,5% com um forte desempenho no primeiro semestre.

“Nós subestimamos o impacto” da desaceleração da economia chinesa, disse Xu Haidong, secretário geral da associação. Sua previsão para o ano inteiro foi de crescimento de 3%, mas ele disse que agora é irrealista. As vendas de carros de passageiros caíram 12%, para 2,06 milhões em setembro, para um declínio de 7,6% no terceiro trimestre.

A empresa Nomura Securities disse que espera nova queda nas vendas para o quarto trimestre de 7,5%, resultando em um declínio anual de 1,6%, o que seria o primeiro declínio dos negócios automotivos chineses desde 1990.

A recente estagnação nas vendas chinesas é chocante para as montadoras estrangeiras que passaram a depender da China para o crescimento global. Em 2016, as vendas de automóveis de passageiros cresceram 15%, desacelerando para um crescimento de 1,4% no ano passado.

As vendas da General Motors na China caíram 15% no terceiro trimestre. Para setembro, a Ford Motor sofreu uma queda de 43%, enquanto as vendas de carros da marca VW da Volkswagen recuaram 11% e a Honda Motor registrou uma queda de 6%.

A maioria das montadoras chinesas também perdeu terreno, embora a Zhejiang Geely Holding Group tenha resistido à tendência. Nesse sentido, suas vendas aumentaram 14% em setembro e 37% nos primeiros nove meses do ano. A última vez que as vendas de automóveis chinesas caíram por três meses consecutivos, em meados de 2015, Pequim entrou na metade reduzindo o imposto sobre as vendas de veículos leves para 5%, um movimento que ajudou a revitalizar o mercado.

Start-up promete venda de carro em 50 minutos

No momento de efetuar a venda de algum veículo, a conclusão desse tipo de transação envolve uma burocracia e uma negociação que em geral levam um tempo maior do que o esperado. Para facilitar essa parte mais trabalhosa, empresas tiveram a ideia de promover vendas de carros em pouquíssimo tempo.

Tornar mais rápido a busca de vendedores e compradores é uma facilidade que essas empresas prometem nos negócios de venda e compra de carros. A Cash Auto, em Londrina, Paraná, pode propiciar uma venda ágil por contar com mais de mil concessionárias nos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo. Essa start-up promete vender o carro usado no tempo máximo de 50 minutos.

Em Goiânia (GO), a Car4Sale, tem um serviço que atende todas as partes negociadoras, sendo tanto de consumidor para consumidor, concessionária e consumidor e até mesmo entre lojistas. A média de tempo que a empresa precisa para concluir um negócio não foi divulgada, mas afirma que pode fazer uma venda em um tempo mínimo muito baixo e proporcionar um suporte burocrático para o cliente.

Para quem está interessado em vender o seu carro pela empresa Cash Auto, primeiro será necessário cadastrá-lo no site com os seus dados como marca, ano e modelo. Uma inspeção será realizada por um dos funcionários que trabalha para uma das empresas parceiras da Cash Auto. O dono do veículo terá que desembolsar R$ 218 para a inspeção que leva 20 minutos para ser concluída, somente a empresa responsável pela venda poderá fazer a inspeção. As possíveis pendências no site do Detran também serão verificadas.

Depois de apresentar os carros para os parceiros, em até 50 minutos a empresa manda as três melhores propostas para o vendedor. A negociação da start-up não é feita para os consumidores, apenas para as concessionárias que têm um acordo. Não existem garantias para o cliente caso não haja uma proposta, o que segundo a empresa nunca aconteceu antes. Depois de analisar as propostas que recebeu o vendedor escolhe a que lhe parece mais vantajosa. A conclusão da venda contará com todo o suporte da parte burocrática pela empresa que também cuidará do envio do dinheiro para o vendedor.

Veja os detalhes da parceria entre a Chery e CAOA, empresa fundada por Carlos Alberto de Oliveira Andrade

A CAOA, grupo empresarial do setor automotivo que atua na representação de marcas e fabricação de veículos, firmou recentemente parceria com a montadora chinesa Chery. A empresa fundada por Carlos Alberto de Oliveira Andrade tem grandes planos que você fica sabendo neste post. Acompanhe!

A CAOA é conhecida por contratos para importação e produção de veículos de diferentes montadoras. Com a Chery, a empresa será responsável por conduzir a operação brasileira desde a fabricação, venda e pós-venda. Iniciada em 2017, a parceria inclui a produção de veículos na unidade industrial de Jacareí (SP).

A Chery chegou ao país em 2009 como parte do planejamento para internacionalizar a marca. Em 2014 a companhia inaugurou a fábrica própria em Jacareí, no Vale do Paraíba (SP). Na época os investimentos chegaram aos US$ 40 milhões. Na unidade são produzidos os modelos QQ, Celer e o recente Tiggo 2x, um dos mais vendidos da marca na Ásia.

Além deles, a produção será expandida com outros modelos que serão lançados no mercado nacional a partir de 2019. O primeiro deles é o Tiggo 5x, um SUV com motor 1.5 turbo lançamento, mesma motorização estará presente no sedã Arrizo 5. Ambos os veículos demonstram a inovação da montadora em quesitos como estilo e mecânica.

Também devem desembarcar por aqui o Tiggo 7, modelo SUV muito sofisticado e o Tiggo 8, o primeiro SUV de oito lugares da marca a chegar ao país. Essa estratégia agressiva de lançamentos e aumento da rede revelam a ousadia da parceria entre a chinesa e a empresa fundada por Carlos Alberto de Oliveira Andrade.

Quem é o dr. CAOA

Carlos Alberto de Oliveira Andrade, o dr. CAOA para os mais próximos é fundador da empresa que leva as iniciais do seu nome. O ex-médico cirurgião iniciou as atividades no setor automotivo por acaso, quando adquiriu um Ford Landau, em 1979, que não foi entregue por conta da falência da concessionária.

Andrade viu ali uma ótima oportunidade de negócio, comprou a empresa falida e passou a vender carros. Apesar da falta de experiência inicial, em pouco tempo ele mostrou vocação para o segmento e em menos de seis anos já era o principal revendedor da Ford no Brasil.

Sempre a frente do seu tempo, Carlos Alberto de Oliveira Andrade firmou parcerias com outras montadoras como a Renault e Hyundai para a importação, revenda e representação. Em 2007 veio a aposta mais ousada do empresário. Com recursos próprios construiu uma fábrica própria em Anápolis (GO).

Na unidade industrial são produzidos os veículos da coreana Hyundai para o mercado latino. Devido ao bom desempenho, os esforços de Andrade foram reconhecidos e em 2012 recebeu a premiação de Distribuidor do Ano. O título foi disputado com outros 179 distribuidores da Hyundai em todo o mundo.

Apesar de não estar na presidência da direção da CAOA, Carlos Alberto de Oliveira Andrade permanece como presidente do conselho administrativo da companhia. Dessa forma acompanha as principais decisões e projetos do grupo de perto, a exemplo da parceria com a Chery.