Haters e atos prejudiciais estragam a diversão das redes sociais

Quem está nas redes sociais pode se deparar com pessoas que são simpáticas e carismáticas, mas nem todo mundo é assim. Existem diversas pessoas que se dedicam em deixar o dia da outra mais amargo. A maioria desses perfis, que recebem uma enxurrada de críticas e até mesmo ofensas, são de pessoas de destaque na internet: influenciadores, youtubers e blogueiros. A fama, nesse caso, traz um ônus que ninguém quer: ser desrespeitado.

Na vida real, as pessoas se deparam com outras que podem criticar algum aspecto do comportamento, mas, nas redes sociais, isso se torna desproporcional. Os haters (“odiadores” em tradução literal) que estão por detrás de um celular, computador e tablet se tornam mais desinibidos para enviar mensagens de ódio e antipatia. Profissionais expostos na internet precisam saber lidar com maturidade com a falta de maturidade dos internautas que gostam de alfinetar alguém desprevenido.

Em uma rede social chamada Twitch, usada por jovens para fazer vídeos ao vivo (livestreaming), os usuários saciam a vontade de compartilhar momentos pessoais da vida, tudo por causa do fascínio que a internet gera em ser notado. O perigo está em fazer um personagem que não se diferencia da pessoal da vida real.

Se uma pessoa cria expectativas e passa a viver de uma maneira que sua autoestima depende da internet, emocionalmente esse comportamento pode ser devastador. Os comentários e as aprovações das postagens podem levar muitos likes, mas, quando alguém apenas se importa com isso, as atitudes na vida real podem se tornar prejudiciais onde tudo o que vale é ser bem visto nas redes sociais.

O perigo é ter uma ação extrema para ser notado e ser uma das notícias do dia sem se importar se alguém ou a própria pessoa está fazendo mal para ela mesma. Transmitir situações trágicas de si mesmo ou de pessoas, evidencia um perfil apelativo que pode ultrapassar alguns limites.

Existem  situações reais que foram transmitidas no Facebook, por exemplo, em que uma pessoa estava se suicidando. Fatos trágicos e danosos estão sendo monitorados para não serem veiculados no Instagram. No ano passado, em fevereiro, um adolescente exibiu a própria morte suicida pelo TikTok. Após o ocorrido, a rede social destacou que está melhorando a sua moderação de conteúdo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *